Broca – Anobilidae e Lyctidae

Broca – Anobilidae e Lyctidae
Dedetização

As brocas são freqüentemente confundidos com os cupins, especialmente com os cupins de madeira seca, por também expelirem resíduos (pó) das peças atacadas. As brocas cujos adultos são os besouros, pertencem à ordem dos Coleópteros e diferentemente dos cupins, as brocas de madeira não são insetos sociais.

Uma madeira atacada por brocas pode conter dezenas ou centenas de indivíduos, entretanto cada um vive independentemente dos outros. O desenvolvimento pós-embrionário, período que vai desde a eclosão dos ovos até o indivíduo adulto, é também diferente entre esses dois grupos de insetos. O desenvolvimento pós-embrionário nas brocas de madeira compreende quatro estágios: ovo, larva, pupa e adulto.

A metamorfose, ou seja, a transformação da larva, inseto imaturo, em adulto, dá-se em uma fase específica do desenvolvimento, denominado de pupa e, no caso desses insetos é uma transformação total, originando um adulto completamente diferente do estágio larva.

O ataque por brocas de madeira se inicia quando a fêmea adulta deposita seus ovos na madeira. Desses ovos eclodem as larvas que irão se alimentar daquele substrato até atingirem o estágio de pupa quando, então, se transformam em adultos. A fase larval é a mais longa da vida do inseto e a principal responsável pelos danos causados à madeira.

Uma vez transformados em adultos, e essa transformação dá-se, regra geral, próximo à superfície, os insetos perfuram a madeira e saem para o meio externo. Fora da madeira, machos e fêmeas se encontram, se acasalam, se as fêmeas voltam a depositar seus ovos ou na mesma peça de madeira ou em outra.

A época em que os adultos saem da madeira é quando, mais facilmente, percebemos o ataque. Observa-se um orifício em torno no qual, ou nas suas proximidades, encontramos acumulada um serragem, também denominada de resíduo ou pó de broca, e que é resultante da escavação feita pelo adulto para sair da madeira.

A madeira seca, apresentando teores de umidade abaixo de 30%, é a condição da maioria das madeiras em uso pelo homem. Insetos das famílias Anobilidae e Lyctidae são as principais brocas que atacam a madeira nessas condições.

Dedetização

• Os técnicos farão uma inspeção bastante detalhada identificando as áreas e as espécies infestantes. Depois de realizada a inspeção o técnico verifica se o ambiente está adequado para a realização do serviço.
• Para realização da aplicação é preciso que em todos os orifícios que haja resíduos fecais, seja aplicado cupinicida e faça uma pulverização ao redor da área infestada.
• Fazemos um tratamento preventivo nas áreas não infestadas, pois pode ter outras áreas (peças) infestadas.

A aplicação do produto pode ser feita por :

Injeção

Consiste na injeção de produto liquido pelo próprio orifício feito pelo cupim através de seringas ou pequenos pulverizadores.

Pincelamento

Após a limpeza da superfície da peça a ser tratada, o pincelamento é empregado aplicando- se duas ou três demãos.

Imersão

Este procedimento tem sua maior eficiência no tratamento preventivo em peças avulsas sem acabamento. Consiste na limpeza e imersão da peça em um tanque de tratamento, permanecendo submersa na solução preventiva.

Aspersão

Em pontos de difícil acesso, a pulverização sob baixa pressão pode ser empregada.Cuidados
Para que a presença da empresa no imóvel seja a mais breve possível e sem causar grandes transtornos às rotinas de seu dia a dia, recomenda-se:

• Deixar os armários completamente livres, colocando os objetos, de preferência, em locais que não dificultem o acesso aos locais a serem tratados.

• Não permitir a presença de pessoas ou animais domésticos ao imóvel, durante a execução dos tratamentos, para evitar qualquer tipo de contaminação. Estes poderão retornar ao imóvel após o período determinado pelo departamento técnico.

• Não dormir no imóvel no mesmo dia em que o tratamento for executado. Para pessoas com hiper sensibilidade a produtos químicos esse período deve ser maior e, de acordo com orientação médica.

• Usar os armários após 24 horas, se o local estiver seco. Caso contrário passar um pano seco que absorva o produto, deixar o local bastante ventilado.

Prevenção

• Utilizar madeiras mais resistentes ao cupim como : peroba do campo, peroba rosa, jacarandá, pau ferro, braúna, gonçalo alves, sucupira, copaiba, orelha de moça, roxinho e maçaranduba.

• Colocar telas com malha de 1,6 mm em portas, janelas, basculantes e outras aberturas para evitar a entrada de cupins, durante as revoadas nupciais.

• Evitar estocagem inadequada de madeiras e seus derivados, principalmente em locais úmidos. • Vistoriar periodicamente, rodapés, forros, armários, estantes, esquadrias e outras estruturas de madeira, a fim de detectar qualquer início de infestação, facilitando o controle.

• Retirar o madeiramento usado durante as obras imediatamente após o término das mesmas, a fim de evitar possíveis infestações no imóvel.

• Retirar e destruir madeiras infestadas, preferencialmente, queimando-as em lugares adequados.

• Em bibliotecas e arquivos, usar, sempre que possível, estantes metálicas.