Cupim Madeira Seca – Cryptotermes brevis

Cupim Madeira Seca – Cryptotermes brevis
Dedetização

Cupim de madeira seca infestar estruturas e objetos de madeira com baixo teor de umidade. No sudeste do brasil, principalmente nos grandes centros como Rio de Janeiro vem sendo a segunda maior praga entre os cupins das áreas urbanas. As colônias são relativamente menos populosas, chegando a ter algumas centenas de indivíduos, quando comparadas as de alguns cupins de solo, que podem conter milhões de indivíduos.

Não há operários verdadeiros, sendo as tarefas gerais realizadas pelos “pseudo-operários” . Os soldados desta espécie tem a cabeça bem escura e fragmótica, isto é, há uma modificação da região anterior, formando uma região mais achatada ou escavada com a qual o inseto pode obstruir um orifício. Como em outras espécies do gênero, as colônias estabelecidas em peças mais longas de madeira, as galerias e as cavidades (câmaras) estendem-se na direção das fibras e dispõem-se mais ou menos concentricamente, segundo os anéis de crescimento, quando existem.cupim de madeira seca

As passagens entre as câmaras são bem estreitas, mas as paredes vão sendo corroídas e as câmaras então aumentadas podem estar vazias ou repletas de grânulos fecais que constituem o famoso “pó de cupim”. Este grânulo terá cor diferente dependendo da madeira consumida , pois é o resto do processo digestivo . O pó de formato granuloso típico nos cupins de madeira seca, não deve ser confundido com o pó finíssimo, parecendo talco, expelido por espécies de besouros também xilófagos, chamadas popularmente de “brocas”.

Enquanto o interior vai sendo consumido a superfície da madeira permanece intacta, podendo ficar apenas um finíssima camada facilmente perfurada com a pressão de um dedo. Na superfície de uma peça infestada há sempre pequenos orifícios circulares por onde os cupins eliminam os grânulos fecais, não, de forma contínua, mas intermitentemente.

Também por estas aberturas podem sair alados na ocasião das revoadas. Alguns orifícios podem ser obstruídos pêlos cupins com matéria fecal líquida que depois endurece, formando um tampão sólido. Esta espécie também pode atacar além de madeira, muitos outros materiais como por exemplo papel, isopor e até mesmo rolhas de vinhos em adegas.

Descupinização

• Os técnicos farão uma inspeção bastante detalhada identificando as áreas e as espécies infestantes.
• Depois de feita a inspeção, o tratamento começará pelas áreas com problemas.
• A aplicação com produto liquido pode ser feita de 2 formas diferentes , dependendo do tipo de infestação.

Injeção – Injeção da calda cupinicida com bomba apropriada e bicos especiais para cada tipo de peça a ser tratada. A calda cupinicida é injetada através de pequenos orifícios feitos no momento da aplicação e nos já existentes devido a ação da praga. Esta aplicação geralmente é feita em madeiramento de móveis em geral, batentes e portas.

Pulverização – Aplicação da calda cupinicida em quantidade suficiente para encharcar a peça a ser tratada por meio de pulverizador elétrico ou manual, esta aplicação geralmente é feita no madeiramento de telhados e forros.
O produto cupinicida será diluído em querosene desodorizado para maior absorção da madeira, ou da área tratada.

Cuidados

Para que a presença da empresa no imóvel seja a mais breve possível e sem causar grandes transtornos às rotinas de seu dia a dia, recomenda-se:

• Deixar os armários completamente livres, colocando os objetos, de preferência, em locais que não dificultem o acesso aos locais a serem tratados.

• Não permitir a presença de pessoas ou animais domésticos ao imóvel, durante a execução dos tratamentos, para evitar qualquer tipo de contaminação. Estes poderão retornar ao imóvel após o período determinado pelo departamento técnico.

Prevenção

• Utilizar madeiras mais resistentes ao cupim como : peroba do campo, peroba rosa, jacarandá, pau ferro, braúna, gonçalo alves, sucupira, copaiba, orelha de moça, roxinho e maçaranduba.

• Colocar telas com malha de 1,6 mm em portas, janelas, basculantes e outras aberturas para evitar a entrada de cupins, durante as revoadas nupciais.

• Evitar estocagem inadequada de madeiras e seus derivados, principalmente em locais úmidos. • Vistoriar periodicamente, rodapés, forros, armários, estantes, esquadrias e outras estruturas de madeira, a fim de detectar qualquer início de infestação, facilitando o controle.

• Retirar o madeiramento usado durante as obras imediatamente após o término das mesmas, a fim de evitar possíveis infestações no imóvel.

• Retirar e destruir madeiras infestadas, preferencialmente, queimando-as em lugares adequados.

• Em bibliotecas e arquivos, usar, sempre que possível, estantes metálicas.